GAIA, Luke Jerram



Créditos fotográficos:
Gaia at Bluedot, UK, 2018

  • Local: Largo Anjos Teixeira, Volta do Duche

Luke Jerram apresenta no Aura Festival uma esfera com sete metros de diâmetro que reproduz uma imagem de satélite (NASA) da superfície terrestre, com uma definição de 120 dpi - uma oportunidade única para ver o globo terrestre flutuante e a 3 dimensões, 1,8 milhões de vezes mais pequeno que a Terra. No ano em que se comemoram os 50 anos da chegada à Lua, esta instalação convoca o Overview Effect descrito por Frank White em 1987, a propósito da primeira visão da Terra pelos olhos dos astronautas americanos quando, no ano de 1968, exatamente 75 horas, 48 minutos e 41 segundos depois da nave Apollo 8 ter descolado do Cabo Canaveral (EUA), a Terra pôde pela primeira vez ser observada do espaço. A experiência provocou uma profunda comoção. O globo parecia isolado, uma pequena ilha de vida suspensa no espaço. As imagens da superfície terrestre mostram o planeta como um ecossistema uno e indivisível, em que a sensação de pertença e a interdependência entre os sistemas constitutivos da vida no planeta, renovam a responsabilidade humana e a crescente preocupação face às questões ambientais.

Esta obra foi criada em parceria com as instituições científicas inglesas Natural Environment Research Council (NERC), Bluedot e The Association for Science and Discovery Centres (ASDC). A paisagem sonora é da responsabilidade do artista Dan Jones, compositor vencedor de um BAFTA.

https://www.lukejerram.com

gaia_luke03
Gaia. Photo of Luke Jerram by National Environment Research Council (NERC) b&w

Sobre LUKE JERRAM


A prática multidisciplinar de Luke Jerram incorpora a criação de esculturas, instalações e projetos de artísticos ao vivo. A viver em Bristol, Reino Unido, mas a trabalhar internacionalmente, Jerram criou um extraordinário número de projetos de arte durante os últimos 21 anos, que têm inspirado o público em todo o mundo. 

A investigação de Jerram está relacionada com a percepção e é alimentada pelo facto de ele ser daltónico. Através do estudo das qualidades do espaço e da percepção em locais extremos, desde as geladas florestas da Lapónia até às dunas de areia do deserto do Saara, novas formas de ver e novos projectos artísticos emergem destas de pesquisas de campo. Obras como "Retinal Memory Volume", "Sky Orchestra" ou a sua série "Glass Microbiology"  surgiram percisamente desta exploração das margens da percepção. Publicado pela editora The Watershed, 'Art in Mind' é um livro escrito por Jerram que segue as pistas de grande parte de sua pesquisa sobre a percepção.


APRESENTAÇÃO